Últimas Notícias

Algas Marinhas no Piauí são pesquisadas para tratamento de infecção intestinal

By Redação - sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017 No Comments
Estudo tem o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí através do Programa PPSUS

Equipe pesquisa Fapepi (Foto:Fapepi)

Para algumas pessoas, a diarreia é pouco mais que um desconforto intestinal causado pela má ingestão de alimentos ou bebidas. As recomendações médicas também não são complicadas: hidratação, repouso e alimentação leve. Entretanto, para a grande parte da população pobre de países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, onde as condições higiênico-sanitárias são deficientes, a diarreia é um sério agravo à saúde pública.

Segundo o doutor em farmacologia e professor da Universidade Federal do Piauí, campus Parnaíba, Jand Venes Rolim Medeiros, estima-se que a diarreia responde por cerca de 2,2 milhões de mortes ao ano em todo o mundo e que cerca de 88% das mortes são atribuídas ao saneamento inadequado, má qualidade da água e falta de higiene. "As crianças menores de 5 anos são as mais atingidas e nas quais se verificam a maior letalidade, principalmente quando existe a associação com desnutrição ou outras patologias infecciosas. Em crianças, a mortalidade global é de aproximadamente 1,5 milhões a cada ano. De acordo com um relatório divulgado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença mata mais crianças do que a AIDS, a malária e o sarampo juntos. Dessa forma, constitui a segunda maior causa de mortalidade infantil”, diz Jand Venes.

Jand Venes informa ainda que, de acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi), somente em 2013 foram notificados cerca de 100 mil casos de diarreia com 126 óbitos em todo o estado. “Segundo dados do Sistema Informatizado de Vigilância Epidemiológica/Monitorização das Doenças Diarreicas Agudas (SIVEP/MDDA), nos últimos 9 anos (2007 a 2015), foram notificados 13.332 casos de diarreia aguda em crianças menores de 5 anos somente na cidade de Parnaíba. Ao todo, 35.260 pessoas foram atingidas por essa condição na cidade, durante esse mesmo intervalo de tempo. Durante esse período, o ano de 2014 apresentou as maiores estimativas, resultando em um total de 5.665 notificações”, apresenta o Dr. Jand Venes.

A pesquisa “Identificação e Avaliação Pré-Clínica de Polissacarídeos Derivados de Algas Marinhas como Candidatos a Fármacos para o tratamento de doenças diarreicas Osmóticas e Infecciosas” integra os projetos selecionados pelo Programa Pesquisa para o SUS Gestão Compartilhada em Saúde – PPSUS e tem a coordenação do professor Jand Venes Medeiros. O objetivo é avaliar o potencial terapêutico de algas marinhas nas doenças diarreicas. O PPSUS é uma parceria do Governo do Estado, através da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi) com o Ministério da Saúde (MS), por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia, da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi).

Fonte: Ascom Fapepi / Edição: Tribuna de Parnaíba

Publicidade

No Comment to " Algas Marinhas no Piauí são pesquisadas para tratamento de infecção intestinal "